Há um rio sobre nós

Antonio Donato Nobre estuda as interações entre as florestas e a atmosfera. Sua pesquisa mostrou que há verdadeiros rios de vapor correndo s...

Antonio Donato Nobre estuda as interações entre as florestas e a atmosfera. Sua pesquisa mostrou que há verdadeiros rios de vapor correndo sobre a floresta amazônica e levando umidade para boa parte do continente. Graças a esses rios, a América do Sul não é um deserto como a África. Sua pesquisa revela a fragilidade das florestas mediante mudanças climáticas e o risco que corremos se as perdermos.



O que vocês acham? [Para] quem viu a palestra do Sir Ken, memorável, no TED, eu sou um típico exemplar do que ele descreve: "um corpo carregando uma cabeça".



Professor universitário, né? E vocês poderiam achar que é uma covardia me colocar, depois dessas duas primeiras apresentações, para falar de ciência. Não consigo balançar meu corpo no ritmo. E depois de um cientista que se tornou filósofo, eu tinha que falar da ciência dura. Poderia ser um tema muito árido e, no entanto, eu me sinto agraciado. Nunca na minha carreira; e já vai longe a minha carreira; eu tive a oportunidade de começar uma palestra com tamanha inspiração, como esta. Normalmente, falar de ciência é como se exercitar numa terra árida. No entanto, eu tive a felicidade de ser convidado para vir aqui falar sobre água. E "água" e "árido" não combinam, né? Melhor ainda, falar sobre água na Amazônia, que é um berço esplêndido de vida, né? Fresca. Então, é o que me inspirou. Por isso estou aqui, apesar de estar carregando a minha cabeça aqui, "malemá", eu estou aqui tentando, vou tentar, transmitir essa inspiração. Espero que a história os inspire, que vocês multipliquem. A gente sabe que há controvérsia - a Amazônia é o pulmão do mundo, né? - pelo poder que ela tem de trocar massivamente gases vitais - a floresta com a atmosfera. A gente também escuta falar do celeiro da biodiversidade. Embora muitos acreditem nisso, poucos conhecem. Se vocês saírem aqui fora, nesse igapó, vocês vão se maravilhar com a... Vocês quase não conseguem ver os bichos. Os índios dizem: "Na floresta, tem mais olhos do que folhas." E é real, e eu vou tentar mostrar alguma coisa para vocês. Mas hoje, eu trouxe uma outra abordagem aqui, uma abordagem em que, inspirado por essas duas iniciativas aqui, uma harmônica e outra filosófica, eu vou tentar colocar a abordagem que é um pouco material, mas ela tenta transmitir também que existe, na natureza, uma filosofia e uma harmonia extraordinárias. Não vai ter música na minha apresentação, mas eu espero que vocês vejam a música da realidade que eu vou mostrar. [Vou] falar de fisiologia - não é pulmão, é de outras analogias com a fisiologia humana e, principalmente, o coração. A gente começa... pensando que a água é como o sangue. A circulação no nosso corpo leva o sangue fresco, que alimenta, que nutre e que sustém, e traz de volta o sangue usado, para ser renovado. Na Amazônia, ocorrem coisas muito semelhantes. E a gente começa falando sobre o poder de todos esses processos. Isso aqui é uma imagem, em movimento, das chuvas. E o que vocês estão vendo ali são os anos passarem a cada segundo. As chuvas no mundo inteiro. E o que vocês veem? Que a região equatorial, em geral, a Amazônia em particular, é enormemente importante para o clima do mundo. É um motor poderoso. Existe aqui uma atividade frenética em relação à evaporação. Se a gente olhar outra imagem, que mostra os fluxos de vapor de água, o que é preto ali é ar seco, o que é cinza é ar úmido e o que é branco são nuvens. Vocês veem ali um ressurgimento extraordinário na Amazônia. Que fenômeno - se não é um deserto, que fenômeno faz com que a água jorre do solo para a atmosfera, com tamanho poder, que a gente vê do espaço? Que fenômeno é esse? Poderia ser um gêiser. O gêiser é a água subterrânea aquecida pelo calor do magma, que explode para a atmosfera, transfere essa água para a atmosfera. Nós não temos gêiseres na Amazônia, a menos que eu me engane. Eu não sei se alguém conhece algum. Mas nós temos algo que faz o mesmo papel, mas com muito mais elegância: são as amigas e benfazejas árvores, que, assim como os gêiseres, conseguem transmitir uma quantidade enorme de água do solo para a atmosfera. São 600 bilhões de árvores na Amazônia, 600 bilhões de gêiseres. E isso com uma sofisticação extraordinária. Não precisam do calor do magma. Usam a luz do Sol para fazer esse processo. Então, em um dia, um típico dia ensolarado na Amazônia, uma árvore grande chega a colocar mil litros de água através da sua transpiração. Mil litros. Se você pegar toda a Amazônia, que é uma área muito grande, e você somar toda essa água que está sendo transpirada - é o suor da floresta -, você chega num número extraordinário: 20 bilhões de toneladas de água. Vocês sabem - isso em um dia. Vocês sabem quanto é isso? O rio Amazonas, o maior rio da Terra, um quinto de toda a água doce que sai dos continentes no mundo inteiro e que chega nos oceanos, despeja 17 bilhões de toneladas de água por dia no Oceano Atlântico. Esse rio de vapor, que sai da floresta e vai para a atmosfera, é maior que o rio Amazonas. Só para vocês terem uma ideia. Se a gente pudesse pegar uma chaleira bem grandona, aquelas de botar na tomada, chaleira elétrica, e colocar todos esses 20 bilhões de toneladas dentro, de quanta eletricidade você precisaria para evaporar essa água? Alguém tem ideia? Uma chaleira bem grande mesmo. Chaleira dos gigantes, né? 50 mil Itaipus. Itaipu, para quem não sabe, é a maior hidroelétrica do mundo, ainda, e é um orgulho brasileiro porque fornece mais de 30% da energia que é consumida no Brasil. E a Amazônia está aqui, fazendo isso de graça. É uma poderosíssima e viva usina de serviços ambientais. Ligando nesse tema, nós vamos falar sobre o que eu chamo de "paradoxo da sorte", que é uma curiosidade. Se você olhar o mapa-múndi - é fácil de perceber isso - você vê que, na zona equatorial, você tem as florestas, e os desertos estão organizados a 30º de latitude norte, 30º de latitude sul, alinhados. Veja ali, no hemisfério sul, o Atacama, Namíbia e Kalahari na África, o deserto da Austrália. No hemisfério norte, o Saara, Sonora e etc. E tem uma exceção, e é uma curiosidade: é o quadrilátero que vai de Cuiabá a Buenos Aires, de São Paulo aos Andes. Esse quadrilátero era para ser deserto. Está na linha dos desertos. Por que não é? Por isso que eu chamo de "paradoxo da sorte". O que que tem na América do Sul diferente? Se a gente puder usar a analogia da circulação sanguínea no corpo e do sangue, com a circulação da água na paisagem, a gente vê nos rios que eles são veias, eles drenam a paisagem, eles drenam o tecido da natureza. E onde estão as artérias? Algum palpite? O que leva... Como que a água chega a irrigar os tecidos da natureza e trazer de volta tudo pelos rios? Tem um novo tipo de rio, que nasce no oceano azul, que flui pelo oceano verde - não só flui, mas ele é bombeado pelo oceano verde - e cuja foz é a terra da gente. Toda a nossa economia, aquele quadrilátero, 70% do PIB da América do Sul saem daquela região. Depende desse rio. E esse rio flui, invisível, acima de nós. Estamos flutuando aqui nesse flutuante, num dos maiores rios da Terra, que é o rio Negro. Está meio seco, meio bravo, mas estamos flutuando aqui, e em cima de nós tem um rio invisível passando. E esse rio, ele pulsa. E aqui está a pulsação dele. Por isso que a gente fala de coração também. Você vê ali as estações do ano. Chove uma época... Na Amazônia, a gente costumava ter duas estações, a úmida e a mais úmida. Agora temos a estação seca. E você vê ali ele lambendo essa região que deveria, de outra forma, ser um deserto e não é. A gente, cientistas... Você vê que estou com dificuldade aqui para levar minha cabeça de um lado para o outro aqui. Os cientistas estudam como funciona, por quê, etc., e esses estudos estão gerando uma série de descobertas absolutamente extraordinárias para nos trazer a consciência da riqueza, da complexidade e da maravilha que nós temos, da sinfonia que nós temos nesse funcionamento. Um deles é: como é que se forma a chuva? Em cima da Amazônia, tem ar limpo, igual a em cima do oceano. O oceano azul tem ar limpo e forma muito poucas nuvens, quase não chove. No oceano verde, ar limpo igual, e forma muita chuva. O que que acontece aqui que é diferente? A floresta emite cheiros, e esses cheiros são núcleos de condensação, que formam gotas na atmosfera, e aí formam-se as nuvens que chovem torrencialmente. O regador do Jardim do Éden. Essa relação de uma entidade viva, que é a floresta, com uma entidade não viva, que é a atmosfera, é virtuosa na Amazônia, porque a floresta joga água e joga sementinhas, a atmosfera forma chuva e devolve, e aí garante-se a sobrevivência da floresta. Tem outros fatores também. Falamos um pouco do coração, e agora vamos falar de uma outra função: o fígado! Quando ar úmido, uma alta umidade e radiação são combinados junto com esses compostos orgânicos, que eu chamo de "Vitamina C Exógena", generosa vitamina C gasosa, as plantas liberam antioxidantes que reagem com os poluentes. Vocês podem estar tranquilos porque vocês estão respirando o ar mais puro da Terra aqui na Amazônia, porque as plantas estão tomando conta dessa característica também. E isso favorece o próprio funcionamento das plantas, outro ciclo virtuoso. Falando de fractais, e a relação com o nosso funcionamento, a gente vê outras comparações. Como nas vias superiores do pulmão, o ar da Amazônia é limpo do excesso de poeira. O ar que a gente respira é limpo da poeira pelas vias respiratórias. Isso impede que o excesso de poeira prejudique a chuva. Quando tem queimadas na Amazônia, a fumaça acaba com a chuva, para de chover, a floresta seca e o fogo entra. Tem uma outra analogia fractal. Como nas veias e artérias, você tem um retorno na água que chove e volta para a atmosfera. Como nas glândulas endócrinas e nos hormônios, você tem aqueles gases, que eu expliquei para vocês, que formam, como se fossem hormônios soltados na atmosfera, que promovem a formação da chuva. Como o fígado e os rins, acabei de falar: a limpeza do ar. E, por fim, como um coração: o bombeamento da água que vem de fora, do oceano, para dentro da floresta. A gente está chamando isso de "A Bomba Biótica de Umidade". É uma teoria nova que é explicada de uma maneira muito simples. Se você tem um deserto no continente, e você tem um oceano contíguo, a evaporação no oceano é maior, produz uma sucção e puxa o ar de cima do deserto. O deserto está preso nessa condição. Ele vai ser sempre seco. Se você tem uma condição inversa, com floresta, a evaporação, como a gente mostrou, é muito maior, pelas árvores, e essa relação se inverte. Então, o ar é puxado de cima do oceano e aí você tem a importação da umidade. Essa aqui é uma imagem que foi feita um mês atrás, de satélite - Manaus está ali embaixo, nós estamos ali embaixo - que mostra esse processo. Não é um riozinho bonitinho, daqueles que fluem num canal, mas é um rio poderoso, que irriga a América do Sul e tem outras finalidades. Essa imagem mostra, naquelas trajetórias ali, todos os furacões de que nós temos registros. E vocês veem que, no quadrado vermelho, quase não tem furacões. Isso não é por acaso. Essa bomba, que puxa umidade para dentro do continente, também acelera o ar sobre o oceano e isso impede a organização dos furacões. Para encerrar essa parte, numa síntese, eu queria falar alguma coisa um pouco adversa. Eu tenho várias colegas que participaram no desenvolvimento dessas teorias, que são da opinião, eu inclusive, de que nós podemos recuperar o planeta Terra. Eu não estou falando hoje aqui só de Amazônia. A Amazônia nos dá uma lição de como a natureza pristina funciona. Nós não entendíamos esses processos antes porque o resto do mundo está todo detonado. Aqui nós pudemos entender. Então, esses colegas colocam: "Nós podemos, sim, recuperar as outras áreas, inclusive desertos". Se a gente consegue estabelecer florestas nessas outras áreas, nós podemos reverter o clima. Inclusive, o aquecimento global. E eu tenho uma colega muito querida na Índia, chamada Suprabha Seshan, que tem um lema. O lema dela em inglês é: "Gardening back the biosphere", Reajardinando a biosfera. Faz um trabalho maravilho de reconstrução de ecossistemas. Nós precisamos fazer isso. Concluída essa introdução rápida, a gente chega à realidade que nós estamos vendo aqui fora, que é a seca, essa mudança climática, e coisas que nós já sabíamos. E aqui, eu queria contar uma historinha para vocês. Eu, uma vez, escutei, quatro anos atrás, uma declamação de um texto do Davi Copenaua, um sábio representante do povo ianomâmi, que dizia mais ou menos o seguinte: "Será que o homem branco não sabe que, se ele tirar a floresta, vai acabar a chuva? E se acabar a chuva, ele não vai ter o que beber, nem o que comer?" E eu escutei aquilo, eu cheguei às lágrimas, porque eu falei: "Nossa! Estou há 20 anos estudando isso, supercomputador, dezenas, milhares de cientistas, e a gente está começando a chegar a essa conclusão, e ele já sabe!" Um agravante: os ianomâmis nunca desmataram. Como eles podem saber que acaba a chuva? Aí, eu fiquei com isso na cabeça e fiquei completamente impactado. Como ele podia saber? Alguns meses depois, eu o encontrei, num outro evento, e eu falei: "Davi, como é que você sabia que, tirando a floresta, acaba a chuva?" Ele falou: "O espírito da floresta nos contou". E isso daí, para mim, foi um game changer, né? Foi uma mudança total, porque eu falei assim: "Poxa! Então, por que eu estou fazendo toda a ciência, para chegar à conclusão do que ele já sabe?" E aí, me bateu algo absolutamente crítico, que é... "o que os olhos não veem o coração não sente". "Out of sight, out of [mind]", né? E isso é uma necessidade que o meu antecessor colocou, que nós precisamos ver as coisas - nós, quando eu digo, é a sociedade ocidental que está se tornando global, civilizada, - nós precisamos ver. Se a gente não vê, a gente não registra. A gente vive na ignorância. Então, eu faço a seguinte proposta: Vamos - claro que os astrônomos não vão gostar - mas vamos virar o Hubble de ponta-cabeça. E vamos fazer o Hubble olhar para cá. Não para os confins do universo. Maravilhosos os confins do universo, mas, agora, nós temos uma realidade prática, que é: nós vivemos num cosmos desconhecido, e nós somos ignorantes. Nós estamos tripudiando sobre este cosmos maravilhoso que nos dá morada e abrigo. Converse com um astrofísico: a Terra é uma improbabilidade estatística. A estabilidade e o conforto que nós apreciamos, com todas as secas do rio Negro, com todos os calores e frios, tufões, etc., não existe nada igual no universo, nada conhecido. Então, viremos o Hubble para cá e vamos olhar a Terra. Vamos começar pela Amazônia! Vamos dar um mergulho, vamos chegar na realidade em que nós vivemos cotidianamente, e olhá-la bem de perto, já que a gente precisa disso. O Davi Copenaua não precisa. Ele já tem algo que eu acho que eu perdi. Eu fui educado pela televisão, né. Eu acho que eu perdi esse algo, que é um registro ancestral, que é uma valorização daquilo que eu não conheço, que eu não vi. Ele não precisa da prova de São Tomé. Ele acredita com veneração e reverência naquilo que os ancestrais lhe ensinaram, e os espíritos. Já que a gente não consegue, então vamos olhar a floresta. Mas mesmo quando a gente está com o Hubble lá, olhando para o céu - essa daqui é a visão do pássaro, né? Mesmo quando isso acontece, a gente vê algo que também desconhecemos. Os espanhóis chamaram de inferno verde. Se você sair aqui, nesse mato aqui, e se perder, e você for, por acaso, para o oeste, são 900km para chegar na Colômbia. Mais mil para sair em algum lugar. Então, dá para entender por que eles chamavam de inferno verde. Mas vai lá olhar o que tem ali dentro. É um tapete vivo. Cada cor ali é uma espécie de árvore. Cada árvore, cada copa, chega a ter 10 mil espécies de insetos dentro dela, sem falar nos milhões de espécies de fungos, bactérias, etc. Tudo invisível. Tudo um cosmos mais estranho para nós do que as galáxias distantes, a bilhões de anos-luz da Terra, que o Hubble nos trás todos os dias nos jornais. E eu encerro a minha apresentação - eu tenho só poucos segundos - mostrando esse ser maravilhoso, que quando a gente vê - a borboleta morpho - na floresta, a gente tem a sensação de que alguém esqueceu a porta do paraíso aberta e essa criatura escapou de lá, porque é muito bonita. Mas, eu não posso terminar sem mostrar um lado tecnológico. A gente tem a arrogância da tecnologia. Nós despossuímos a natureza da sua tecnologia. Uma mão robótica é tecnológica, a minha mão é biológica; e a gente não pensa mais no assunto. Então, vamos olhar a borboleta morpho, que é um exemplo de uma invisível competência tecnológica da vida, que está no âmago da nossa possibilidade de sobrevivência no planeta, e vamos dar um zoom nela. De novo, o Hubble lá. Vamos entrar na asa da borboleta. E esses estudiosos tentaram explicar: por que que ela é azul? E vamos dar um zoom lá. E o que vocês veem é que a arquitetura do invisível humilha os arquitetos melhores do mundo. Isso tudo numa escala muito pequena. Além da beleza e do funcionamento, tem um outro aspecto. Tudo o que é, na natureza, organizado em estruturas extraordinárias, tem uma função. E essa função, da borboleta morpho - ela não é azul, não tem pigmento azul nela. Ela tem cristais fotônicos na superfície - segundo quem estudou isso - cristais extremamente sofisticados. Nada igual ao que a nossa tecnologia tinha ainda na época. Agora, a Hitachi já fez um display de monitor que usa essa tecnologia e é usada em fibra ótica para transmissão de... A Janine Benyus, que já veio várias vezes aqui, fala sobre isso: biomimética. E já acabou o meu tempo. Então eu vou concluir com o que está na base dessa capacidade, dessa competência da biodiversidade, de produzir todos aqueles serviços maravilhosos: a célula viva. É uma estrutura de alguns mícrons, que é uma maravilha interna. Tem palestras do TED sobre isso, não vou me alongar, mas cada um nessa sala, inclusive eu, tem 100 trilhões dessa micromáquina no seu corpo, para que vocês apreciem esse bem-estar. Imaginem o que tem na Floresta Amazônica. 100 trilhões. Isso é mais do que o número de estrelas no céu. E nós não temos consciência. Muito obrigado.

(Aplausos)

Fonte: [Via BBA]

Comentários

Nome

A divulgar Abelha acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia apagão Apicultura Apobec App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha câncer cardiologia carreira Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética cosmologia Criança Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Dia das Mães Dia do professor diabetes Dica Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas e-Book e-governo Ecologia economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eletricidade eletrônica empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Epidemiologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo featured Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Geriatria Gestão de Configuração Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guinness H2 Haiti hardware História HIV homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusão de óptica ilusão de ótica ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inteligência Artificial interativo Interface Interface Homem-Computador Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mapas Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Neurociência Neurologia Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia ótica Otorrinolaringologia Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida quimica química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Rio 2016 Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TedMed TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Turismo Tutorial Twitter UFG ufologia UFRJ universidade Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Vídeo Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico Draft: Há um rio sobre nós
Há um rio sobre nós
http://2.bp.blogspot.com/-FB4F6uN1IRo/VCYLAUjXp4I/AAAAAAAAae8/h2dJETobm48/s400/AntonioDonato.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-FB4F6uN1IRo/VCYLAUjXp4I/AAAAAAAAae8/h2dJETobm48/s72-c/AntonioDonato.jpg
Brasil Acadêmico Draft
http://draftbracad.blogspot.com/2014/09/ha-um-rio-sobre-nos.html
http://draftbracad.blogspot.com/
http://draftbracad.blogspot.com/
http://draftbracad.blogspot.com/2014/09/ha-um-rio-sobre-nos.html
true
7742307559183522523
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy