Será a China o novo ídolo das economias emergentes?

O mundo desenvolvido apoia os ideais do capitalismo, democracia e direitos políticos para todos. Os que estão nos mercados emergentes rarame...

O mundo desenvolvido apoia os ideais do capitalismo, democracia e direitos políticos para todos. Os que estão nos mercados emergentes raramente possuem este luxo. Nesta poderosa palestra, a economista Dambisa Moyo defende que o ocidente não pode se permitir repousar com os seus troféus e imaginar que os demais países o seguirão cegamente . Em contraponto, um modelo diferente, desenvolvido pela China, vem sendo cada vez mais atraente. Um chamamento à cooperação política e econômica de mente aberta, em nome de uma transformação mundial.



Dê-me liberdade ou me dê a morte.

Quando Patrick Henry, o governador da Virgínia, disse estas palavras em 1775, ele nunca poderia ter imaginado quanto elas iriam ecoar pelas futuras gerações de americanos.



Naquele tempo, estas palavras eram reservadas e disparadas contra os britânicos, mas nos últimos 200 anos, elas encarnam o que muitos ocidentais acreditam, que a liberdade é a maior dádiva, e que os melhores sistemas políticos e econômicos possuem a liberdade como parte integrante. Quem pode culpá-los? Nos últimos 100 anos, a combinação da democracia liberal e do capitalismo privado ajudou a catapultar os Estados Unidos e os países ocidentais a novos níveis de desenvolvimento econômico. Nos últimos cem anos, nos Estados Unidos, a renda aumentou 30 vezes, e centenas de milhares de pessoas saíram da pobreza. Enquanto isso, o talento e a inovação americanos ajudaram a estimular a industrialização e também ajudaram na criação e construção de itens de utilidade doméstica, como refrigeradores e televisões, automóveis e até o celular que está em seu bolso. Não é nenhuma surpresa, então, que até nas profundezas das crises do capitalismo privado, o presidente Obama disse: "A questão diante de todos nós não é se o mercado é uma força do bem ou do mal. Seu poder de gerar riqueza e expandir a liberdade é incomparável." Assim, há compreensivelmente, uma enraizada presunção entre os ocidentais de que todo o mundo decidirá por adotar o capitalismo privado como o modelo de crescimento econômico, de democracia liberal, e continuará a priorizar direitos políticos sobre os diretos econômicos.

Entretanto, para muitos que vivem nos mercados emergentes, isto é uma ilusão, e embora a Declaração Universal de Direitos Humanos, que foi assinada em 1948, tenha sido adotada de forma unânime, o que ela fez foi mascarar uma separação que surgiu entre os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento, e as crenças ideológicas entre os direitos políticos e econômicos. Esta separação só tem aumentado. Hoje, muitas pessoas que vivem nos mercados emergentes, onde vivem 90% da população mundial, acreditam que esta obsessão ocidental com direitos políticos já passou da conta, e o que é realmente importante é entregar comida, abrigo, educação e saúde. "Dê-me liberdade ou me dê a morte" somente é bom quando você pode pagar por isso, mas se você vive com menos de 1 dólar por dia, você estará ocupado demais tentando sobreviver e cuidar da sua família, ao invés de gastar seu tempo por aí tentando proclamar e defender a democracia.

Agora, sei que muitas pessoas nesta sala e ao redor do mundo irão pensar: "Bem, na verdade, isso é difícil de compreender", pois o capitalismo e a democracia liberal são tratados como algo divino. Mas eu pergunto a vocês hoje: o que fariam se tivessem que escolher? Se tivessem que escolher entre um teto sobre sua cabeça ou o direito de votar?

Nos últimos 10 anos, eu tive o privilégio de viajar por mais de 60 países, muitos deles nos mercados emergentes, na América Latina, na Ásia, e no meu próprio continente, a África. Eu me encontrei com presidentes, dissidentes, políticos, advogados, professores, doutores e pessoas nas ruas, e durante essas conversas, ficou claro para mim que muitas pessoas nos mercados emergentes acreditam que realmente há uma divisão acontecendo entre o que as pessoas acreditam ideologicamente, em termos de política e economia no ocidente, e o que as pessoas acreditam no restante do mundo.

Agora, não me entendam mal. Não estou dizendo que as pessoas que moram nos mercados emergentes não entendem a democracia, nem estou dizendo que elas não gostariam de escolher seus presidentes e líderes. Claro que gostariam. No entanto, estou dizendo que, em suma, eles se preocupam mais em como a melhoria do seu padrão de vida virá, e como seus governantes conseguirão isto, do que escolher ou não seus governantes através de democracia.

O ponto principal é que isto se tornou uma questão preocupante, pois é a primeira vez, em muito tempo, que surge um desafio real para os sistemas ideológicos ocidentais de política e de economia, e este é um sistema encarnado pela China. Ao invés de terem um capitalismo corporativo, eles têm um capitalismo estatal. Ao invés de democracia liberal, eles reduziram a prioridade do sistema democrático. E eles também resolveram priorizar direitos econômicos sobre direitos políticos. E digo a você hoje que este sistema encarnado pela China é que está ganhando força entre as pessoas nos mercados emergentes como um sistema a ser seguido, porque eles acreditam cada vez mais que este sistema promete obter os melhores e mais rápidos avanços nos padrões de vida, no menor tempo. Se me permitem, gastarei algum tempo explicando primeiramente por que, do ponto de vista da economia, eles chegaram a esta crença.

Primeiramente, é o desempenho econômico da China nos últimos 30 anos. Ela foi capaz de produzir crescimento econômico recorde e retirar uma quantidade considerável de pessoas da pobreza, colocando especificamente um corte na pobreza, retirando mais de 300 milhões de pessoas da miséria. Não somente na economia, mas também nos padrões de vida. Podemos ver que, na China, 28% das pessoas tiveram acesso ao ensino médio. Hoje, está próximo de 82%. Então, em sua totalidade, os avanços econômicos foram bastante significativos.

Segundo, a China foi capaz de melhorar significativamente sua desigualdade de renda sem mudar sua estrutura política. Hoje, Estados Unidos e China são as duas maiores economias do mundo. Eles possuem sistemas políticos muito diferentes e sistemas econômicos diferentes, um com capitalismo privado e o outro com capitalismo estatal. De toda forma, estes dois países têm o mesmo Coeficiente de GINI, que é um índice do nível de distribuição de renda. Entretanto, o que é mais perturbador é que a distribuição de renda na China tem melhorado nos últimos tempos, enquanto nos Estados Unidos tem piorado.

Terceiro, as pessoas nos mercados emergentes observam o incrível e lendário crescimento de sua infraestrutura. Não se trata apenas da China construir estradas, portos e ferrovias dentro de suas próprias fronteiras. Ela foi capaz de construir 85.000 km de rodovias, ultrapassando os Estados Unidos. Mas, mesmo que você veja lugares como a África, a China foi capaz de ajudar a asfaltar a distância entre a Cidade do Cabo e o Cairo, o que corresponde a 14.500 km, ou 3 vezes a distância entre Nova Iorque e Califórnia. Bem, isso é algo que as pessoas podem ver e apontar. Talvez não seja surpresa que numa pesquisa Pew, em 2007, quando entrevistados, africanos de 10 países disseram que eles acreditavam que os chineses estavam fazendo coisas incríveis para melhorar seus modos de vida, por uma ampla margem de 98%.

Finalmente, a China está provendo soluções inovadoras para velhos problemas sociais que o mundo enfrenta. Se você viajar para Mogadíscio, Cidade do México ou Mumbai, você verá que a infraestrutura e a logística precárias continuam sendo uma barreira para fazer chegar medicamentos e cuidados médicos nas áreas rurais. Contudo, através de uma rede de empresas do governo, os chineses puderam ir até estas áreas rurais, usando suas companhias para ajudar a distribuir as soluções para a saúde.

Senhoras e senhores, não é nenhuma surpresa que, em todo o mundo, as pessoas apontem para o que a China faz e digam: "Eu gosto disso. Eu quero isso. Quero poder fazer o que a China está fazendo. Este é o sistema que parece funcionar." Estou aqui também para dizer a vocês que muitas mudanças estão acontecendo em torno do que a China esta fazendo na postura democrática. Em particular, há uma crescente dúvida entre as pessoas nos mercados emergentes, quando as pessoas agora acreditam que a democracia não é mais para ser vista como um prerrequisito para o crescimento econômico. De fato, países como Taiwan, Singapura e Chile, não só a China, mostraram que, na verdade, o crescimento econômico é um prerrequisito para a democracia. Em um estudo recente, as evidências mostraram que a renda das pessoas é o item mais determinante do quanto a democracia pode durar. O estudo evidenciou que, se sua renda per capita estiver em torno de 1.000 dólares por ano, sua democracia irá durar 8 anos e meio. Se sua renda per capita estiver entre 2.000 e 4.000 dólares por ano, então, você conseguirá ter 33 anos de democracia. Mas somente se sua renda per capita estiver acima de 6.000 dólares por ano você terá a democracia por um longo tempo.

O que isto nos diz é que precisamos primeiramente estabelecer uma classe média que seja capaz de fazer o governo prestar contas. Mas, talvez isto também nos diga que devemos nos preocupar sobre sair pelo mundo defendendo a democracia, porque fundamentalmente, corremos o risco de acabar ficando com democracias não liberais, democracias que, de algum modo, podem ser piores do que governos autoritários que eles procuram substituir.

As evidências em torno de democracias autoritárias são muito deprimentes. A Casa da Liberdade acredita que, embora 50% dos países hoje sejam democráticos, 70% desses países são autoritários, no sentido de que as pessoas não gozam de liberdade de expressão, ou liberdade para ir e vir. Mas também vimos, por meio da Casa da Liberdade, num estudo publicado no ano passado, que a liberdade tem decrescido todos os anos, nos últimos 7 anos.

O que isto diz é que pessoas como eu, que se preocupam com a democracia liberal, têm que achar uma forma mais sustentável de garantir que tenhamos uma forma sustentável de democracia de cunho liberal, e isto possui suas raízes na economia. Mas também diz que, conforme a China caminha rumo a ser a maior economia do mundo, algo que os especialistas esperam que aconteça em 2016, que o antagonismo entre as ideologias política e econômica do ocidente e do resto do mundo tende a se ampliar.

Como ficará o mundo? Bom, o mundo poderá ter mais envolvimento estatal e capitalismo estatal, grandes protecionismos dos Estados-nação, mas também, como eu disse momentos atrás, um grande declínio dos direitos políticos e dos direitos individuais.

A questão que nos fica em geral é: o que o ocidente deve fazer? E eu sugiro que o ocidente tem duas opções. O ocidente pode competir ou cooperar. Se o ocidente resolver competir com o modelo chinês, e efetivamente percorrer o mundo e continuar a tentar forçar uma agenda de capitalismo privado e democracia liberal, isto será basicamente lutar contra o vento, mas seria uma posição natural a ser tomada pelo ocidente, porque, de várias formas, é uma antítese do modelo chinês de não priorizar a democracia e priorizar o capitalismo estatal. Agora, o importante é que, se o ocidente decidir competir, será criado um antagonismo ainda maior. A outra opção do ocidente é cooperar, e esta cooperação significa dar aos mercados emergentes a flexibilidade de pensar, de forma construtiva, qual sistema político e econômico é o mais adequado para eles.

Agora, tenho certeza de que alguns nesta sala estarão pensando: "Bem, isto é como render-se à China, e este é um caminho, em outras palavras, para o ocidente ficar em segundo plano". Mas eu lhes digo que se os Estados Unidos e os países europeus quiserem preservar sua influência mundial, talvez tenham que considerar a cooperação em curto prazo para poder competir, e, através disso, eles devem focar mais agressivamente em resultados econômicos, para ajudar a criar uma classe média e, portanto, ser capaz de fazer o governo prestar contas e criar as democracias que realmente desejamos.

O fato mais importante é que, ao invés de sair pelo mundo e censurar os países por se aproximarem da China, o ocidente deveria incentivar seus próprios negócios a comerciar e investir nessas regiões. Ao invés de criticar a China pelo seu mau comportamento, o ocidente deveria estar mostrando que seu sistema de política e de economia é superior. E, ao invés de forçar a democracia pelo mundo, talvez o ocidente devesse reler uma página da própria história e lembrar-se de que é necessária muita paciência para desenvolver os modelos e sistemas que hoje existem. De fato, Stephen Breyer, da Suprema Corte de Justiça americana nos lembra que os Estados Unidos levaram aproximadamente 170 anos, desde que sua Constituição foi escrita, para que houvesse direitos iguais nos Estados Unidos. Alguns argumentam que ainda não existem direitos iguais. De fato, existem grupos que reclamam ainda não terem direitos iguais garantidos por lei.

Na melhor das hipóteses, o modelo ocidental fala por si só. É o modelo que coloca comida na mesa. São os refrigeradores. Levou o homem à Lua. Mas o ponto mais importante é que, embora no passado as pessoas costumassem olhar para o ocidente e dizer: "Eu quero isso, eu gosto disso", agora existe uma nova pessoa na área, em forma de país, a China. Hoje, gerações estão observando a China e dizendo: "A China pode criar infraestrutura, a China pode gerar crescimento econômico, e nós gostamos disso".

Pois, essencialmente, a questão diante de nós, e a questão perante 7 bilhões de pessoas no planeta é: como podemos criar prosperidade? As pessoas vão se importar e vão se engajar no modelo de política e de economia de uma forma muito racional, naqueles modelos que garantam que eles terão um melhor padrão de vida no mais curto período de tempo.

Quando vocês saírem daqui hoje, eu gostaria de deixá-los com uma mensagem muito pessoal, que é aquilo que eu acredito que deveríamos praticar como indivíduos, e que trata-se realmente de termos a mente aberta, mente aberta para o fato de que nossas esperanças e sonhos de criar prosperidade para as pessoas do mundo, reduzir de forma significativa a linha de pobreza para milhões de pessoas, precisa se apoiar em ter a mente aberta, pois estes sistemas têm coisas boas e também coisas ruins.

Somente para ilustrar, eu voltei às profundezas do meu passado. Esta é uma foto minha.

Ohhh. (risos)

Eu nasci e fui criada na Zâmbia em 1969. Quando nasci, os negros não possuíam certidão de nascimento, e essa lei somente mudou em 1973. Esta é uma declaração do governo da Zâmbia. Eu trouxe isso para dizer a vocês que, em 40 anos, eu evoluí da condição de não ser reconhecida como um ser humano para estar diante desta ilustre plateia do TED hoje para falar das minhas opiniões. Neste caminho, podemos aumentar o crescimento econômico. Podemos diminuir nossa linha de pobreza. Mas também, é necessário que olhemos para examinemos suposições, suposições e restrições com as quais fomos criados, a cerca da democracia, a cerca do capitalismo, a cerca do que cria crescimento econômico e diminui a pobreza e cria liberdade. Precisamos rasgar esses livros e começar a analisar outras opções e termos a mente aberta para buscar a verdade. Em última análise, trata-se de transformar o mundo e fazer dele um lugar melhor.

Muito obrigada.

(Aplausos)
[Via BBA]

Comentários

Nome

A divulgar Abelha acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia apagão Apicultura Apobec App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha câncer cardiologia carreira Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética cosmologia Criança Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Dia das Mães Dia do professor diabetes Dica Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas e-Book e-governo Ecologia economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eletricidade eletrônica empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Epidemiologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo featured Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Geriatria Gestão de Configuração Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guinness H2 Haiti hardware História HIV homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusão de óptica ilusão de ótica ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inteligência Artificial interativo Interface Interface Homem-Computador Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mapas Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Neurociência Neurologia Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia ótica Otorrinolaringologia Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida quimica química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Rio 2016 Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TedMed TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Turismo Tutorial Twitter UFG ufologia UFRJ universidade Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Vídeo Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico Draft: Será a China o novo ídolo das economias emergentes?
Será a China o novo ídolo das economias emergentes?
http://4.bp.blogspot.com/-yB_bdO9bHmo/UrKBkIh6DjI/AAAAAAAAXjg/c1OstOMscb8/s400/dambisa.jpg
http://4.bp.blogspot.com/-yB_bdO9bHmo/UrKBkIh6DjI/AAAAAAAAXjg/c1OstOMscb8/s72-c/dambisa.jpg
Brasil Acadêmico Draft
http://draftbracad.blogspot.com/2013/12/sera-china-o-novo-idolo-das-economias.html
http://draftbracad.blogspot.com/
http://draftbracad.blogspot.com/
http://draftbracad.blogspot.com/2013/12/sera-china-o-novo-idolo-das-economias.html
true
7742307559183522523
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy