A ‘caixa preta’ do grande irmão no admirável mundo novo

A historiadora Elenita Malta Pereira traça um paralelo entre as distopias dos livros 1984, Admirável Mundo Novo e o esquema de vigilância in...

A historiadora Elenita Malta Pereira traça um paralelo entre as distopias dos livros 1984, Admirável Mundo Novo e o esquema de vigilância internacional promovido pelos Estados Unidos.

Desde maio de 2013, quando o norte-americano Edward Snowden divulgou, por meio do jornal britânicoThe Guardian, documentos que comprovam o esquema de vigilância internacional da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (National Security Agency, ou NSA), a imprensa brasileira e mundial tem dado destaque ao episódio, muitas vezes relacionando-o à distopia criada por George Orwell, em seu livro1984 (publicado em 1949). O escritor inglês imaginou um mundo dividido entre três Estados totalitários (Oceania, Eurásia e Lestásia), que teriam controle total sobre a população, através de mecanismos de escuta e da teletela, uma espécie de “olho que tudo vê” instalada em quase todos os lugares. Em parte, a previsão de Orwell se tornou realidade, no entanto, o mundo em que vivemos no século 21 se parece mais com o de outra famosa distopia, escrita bem antes, pelo também inglês Aldous Huxley.

No totalitarismo de Admirável Mundo Novo (de 1932), a vigilância e o controle também existem, mas exercidos pelo condicionamento total dos seres humanos, do embrião ao adulto. Desde o tempo de bebê, são fixados preconceitos e crenças, através da hipnopedia (hipnose durante o sono), visando formar adultos fascinados pelas inovações tecnológicas, consumo e diversão. O Estado mantém as pessoas numa espécie de felicidade eterna, embalada pelo soma, a droga perfeita, que faz esquecer os problemas, evita tristeza e mau-humor e ainda ajuda a dormir bem, tudo isso sem efeitos colaterais aparentes. Para completar o caráter admirável desse mundo, a medicina consegue evitar doenças e até mesmo acabar com a aparência de velhice do rosto e do corpo; no entanto, a juventude e beleza eternas cobram o preço bem cedo: “A juventude quase intacta até os sessenta anos, e depois, zás! O fim.”

Orwell e a vigilância mundial

Assim como os cartazes do “Grande Irmão” espalhados pela Oceania de Orwell prometiam tranquilizar e proteger a nação, com a mensagem “O Grande Irmão zela por ti”, os Estados Unidos de hoje acreditam estar prestando um serviço ao país, por meio do seu sistema de vigilância. Em sua visita recente ao Brasil (13/08/2013), o secretário de Estado norte-americano John Kerry afirmou: “Achamos que nosso serviço de inteligência protege a nossa nação, assim como outros povos. Continuaremos a fazê-lo.” O próprio Obama disse em diversas ocasiões que a vigilância das telecomunicações é realizada legalmente, e que contribui para salvar vidas e impedir atentados terroristas. Além de seus próprios cidadãos, pessoas de outros países têm sido vigiadas. A matéria de capa da CartaCapital de 14/08/2013 revelou que os EUA mantinham 16 endereços em Brasília, onde instalaram bunkers de espionagem; atualmente, pelo menos seis desses locais permanecem em funcionamento.

É claro que não vivemos num mundo totalmente controlado como o inventado por Orwell, mas é difícil deixar de perceber paralelos entre eles, depois das revelações de Snowden. A ameaça da vigilância é comum a 1984 e ao momento atual. No livro, o indivíduo nunca sabia com certeza se estava sendo vigiado pela teletela, ele vivia “na suposição de que cada som era ouvido e cada movimento examinado, salvo quando feito no escuro”. Recentemente, o Google afirmou que “usuários do Gmail não têm ‘expectativa razoável’ de que suas mensagens sejam confidenciais”, segundo documento descoberto pelo grupo de defesa do consumidor Consumer Watchdog, como divulgado no site da Folha de S.Paulo. Para diretores do Google, o usuário do Gmail não deve se surpreender se sua correspondência for aberta, da mesma forma que, no passado, as cartas poderiam ser abertas por carteiros e secretárias. Além de estúpido (já que ninguém esperava a abertura de suas cartas por outra pessoa além do destinatário), o argumento revela a possibilidade – ou ameaça – da vigilância. Não devemos estar seguros de que nossas conversas ou e-mails não estão sendo monitorados, assim como o personagem Smith, de que a teletela não estava “zelando por ele”.

Um mundo novo?

Se em 1984 encontramos semelhança com o mundo contemporâneo na questão da vigilância, emAdmirável mundo novo podemos traçar diversos paralelos. Huxley imaginou um futuro totalitário em que predominam o culto à ciência e tecnologia, relações descartáveis, consumo desenfreado, e fuga através das drogas. A busca interminável por diversão, beleza e preenchimento do vazio são o que movem os habitantes daquele mundo, nem tão novo assim para nós do século 21.
Enquanto em 1984 o sexo é considerado algo sujo e perigoso, necessário apenas à reprodução, emAdmirável Mundo Novo o sexo é livre, servindo como uma das formas de diversão e alienação incentivadas desde a mais tenra infância. Em ambas as distopias, no entanto, o amor foi abolido (assim como a família), e redirecionado para os grandes líderes. Na Oceania de Orwell, todo o amor é dedicado ao Grande Irmão; já no livro de Huxley, a figura máxima é Nosso Ford – uma ironia que remete ao inventor da linha de montagem, símbolo maior do produtivismo capitalista.

Tanto em 1984 quanto em Admirável Mundo Novo ocorre o condicionamento total do indivíduo, mas de formas diferentes. Orwell criou um mundo em que o sujeito é condicionado através da ameaça da violência e da guerra, preparado desde a infância para ser espião, denunciando até mesmo seus pais, se necessário. Huxley deu muito mais relevância ao condicionamento, que ocorre através dos avanços tecnológicos do “mundo novo”: técnicas de fertilização e manipulação genética, hipnopedia, indução de comportamentos e de uma série de preconceitos, que variavam de acordo com a classe social dos indivíduos, designada sempre pelo Estado. Numa sociedade extremamente estratificada, os “administradores mundiais” escolhem quais serão os adultos mais ou menos inteligentes, fisicamente aleijados ou saudáveis, com rostos belos ou feios; de acordo com as características físicas e intelectuais, cada um pode aceitar melhor seu destino futuro. Dependendo da sorte do embrião, ele podia ser criado para tornar-se um Alfa ou um Beta, membro das classes superiores, ou um Ípsilon, que era ensinado para ser feliz por fazer parte do grupo menos favorecido da sociedade. Mais do que prejudicados em seu destino, os Ípsilones não eram nem mesmo indivíduos: através de técnicas de reprodução, seus embriões podiam ser divididos muitas vezes, e gerar dezenas de gêmeos; grupos de pessoas com rostos iguais e com pouquíssima inteligência humana, fabricados para servir o Estado nas tarefas mais árduas e repugnantes.

Ambos os mundos valorizam a juventude e beleza por toda a vida. Em 1984, o exercício físico é obrigatório, cobrado por professores que observavam através da teletela. Em Admirável Mundo Novo, o culto à juventude beira a obsessão. A beleza é necessária para atrair parceiros sexuais – no maior número possível – e a juventude é conseguida por meio de processos tecnológicos e dura toda a existência, que não passa, no entanto, dos sessenta anos.

O pensamento é controlado nas duas ficções, por diferentes meios. Em 1984 existe um órgão do Estado encarregado do controle, a Polícia do Pensamento, autorizada a prender os culpados por “crimideia” – qualquer pensamento contrário às ordens do Partido. O sujeito não deve nunca demonstrar emoções, sensações ou pensamentos, seu rosto deve ser impassível. Já no livro de Huxley, o pensamento é condicionado desde a infância. Os livros são suprimidos (lembrando Fahrenheit 451, outra distopia sobre o totalitarismo), porque estimulam ideias e pensamentos. Pelo mesmo motivo, em 1984, os livros que ainda existem – de péssima qualidade e “inofensivos” – são escritos por máquinas.

Controle do passado

Um dos pontos mais instigantes do livro de Orwell é o controle do passado. O Partido disseminava o ditado “Quem controla o passado, controla o futuro; quem controla o presente, controla o passado”. Só poderiam existir os registros, provas e vestígios do passado permitidos pelo grupo dominante, que revelassem fatos positivos sobre o regime, de forma a legitimá-lo. O Grande Irmão precisava estar sempre certo. Por isso, a destruição e a deturpação permanente dos registros eram fundamentais. Em Admirável Mundo Novo, também foi destacado o caráter perigoso da história. “A história é uma farsa”, segundo o líder Ford. Ela deixou de ser ensinada e o Estado empreendeu uma campanha contra o passado, com o fechamento de museus, destruição dos monumentos históricos e supressão de livros.

Para um controle efetivo do passado, o regime totalitário de 1984 inventou o duplipensar, sistema de raciocínio que permite alterar continuamente o passado. É o controle da realidade pelo Partido; “a capacidade de guardar simultaneamente na cabeça duas crenças contraditórias e aceitá-las ambas”. Se o Partido quiser que você veja cinco dedos onde há quatro, você deverá acreditar que vê cinco dedos. Se pela manhã a Oceania estava em guerra com a Eurásia, mas à tarde o Partido disser que a guerra era e sempre foi com a Lestásia, você tem que acreditar que sempre foi assim. No livro de Huxley, permanece, ao menos, uma amostra do passado, na “reserva dos selvagens”. Nessas reservas, habitavam povos considerados primitivos, que ainda mantinham rituais e costumes antigos. Os selvagens ainda possuíam e preservavam sua história; do contrário, os civilizados a mataram.

Desilusão com o mundo novo

Não podemos nos esquecer do contexto social de produção das duas obras. Enquanto Admirável Mundo Novo foi escrito no início dos anos 1930, num período entre guerras, em que se percebia cada vez mais a relação entre o avanço da mecanização dos processos de produção capitalista e o aumento da frieza e brutalidade das relações sociais, 1984 foi concebido no recente pós Segunda Guerra Mundial e em meio a graves problemas pessoais de Orwell.

Ambos os livros mostram uma enorme desilusão com o mundo em que vivem, a partir do olhar crítico de seus autores. Quando Huxley escreveu, ainda não havia acontecido o horror da Segunda Guerra, mas era o contexto de ascensão dos estados totalitários, com Mussolini e Stalin já no poder. O horror da grande guerra influenciou no tom extremamente pesado de 1984. Além disso, Orwell começou a escrever o livro meses após a morte de sua esposa, quando também estava sofrendo muito com a doença que lhe tiraria a vida, a tuberculose. Ele resolveu isolar-se numa ilha inóspita e hostil para escrever, invertendo no título o ano em que finalizou o trabalho (1948 se tornou 1984).

São dois livros de impactante leitura, especialmente 1984, que tem passagens difíceis, por causa da extrema habilidade com que Orwell descreve cenas de tortura. Não se é o mesmo depois de ler essas obras. Elas foram brados de alerta de seus autores, a partir de seus contextos de escrita, sobre o que poderia acontecer se as sociedades ocidentais rumassem para o totalitarismo. Mais do que nunca, elas têm algo a dizer sobre o mundo contemporâneo.

O novo grande irmão

A recente notícia de que o jornal The Guardian fechou uma parceria com o The New York Times para tornar públicos parte dos documentos vazados por Snowden expõe o controle da comunicação pelas autoridades britânicas. O governo inglês ordenou que o The Guardian entregasse os documentos em seu poder. Como os jornalistas dos Estados Unidos são protegidos pela Primeira Emenda, que garante a liberdade de expressão, o que impede que o estado entre com liminares de “pré-publicação” ou “censura prévia”, o acordo de cooperação vai tornar possível a divulgação de novos desdobramentos do esquema de vigilância mundial arquitetado pelos norte-americanos.

As revelações do ex-analista da CIA levam a crer, guardadas as devidas proporções, que a vigilância orwelliana parece estar se instalando definitivamente no admirável mundo novo. A tecnologia que tanto tem seduzido os cidadãos desse novo mundo é também usada como mecanismo de controle e vigilância. Através das inovações tecnológicas, relações descartáveis e consumo desenfreado, o sistema têm tido mais sucesso em alienar e controlar, do que a imposição pela ameaça do uso da força. Em entrevista de 1958 ao jornalista Mike Wallace (YouTube), Huxley afirmou: “se você quiser preservar seu poder indefinidamente, você tem que obter o consentimento dos governados”.


Entrevista com Aldous Huxley, autor de Admirável Mundo Novo,
feita pelo jornalista Mike Wallace em 1958.

Se o país que se acredita a mais avançada democracia do mundo empreende um esquema de vigilância gigantesco e vive sempre em guerra contra o terrorismo, o que poderia acontecer num regime verdadeiramente totalitário? A sedução pelo consumo, especialmente de tecnologia, está cobrando seu preço. Num mundo em que a exposição máxima é incentivada, com o culto às celebridades, aos games e aos equipamentos eletrônicos, poucos parecem estar muito preocupados com a vigilância de seus e-mails ou de suas postagens nas redes sociais. Sociedades que dão pouco valor à privacidade podem se tornar iscas fáceis de dominação, e acreditar mesmo – numa espécie de duplipensar – que a vigilância é “para o seu bem”.

A cooperação entre os jornais britânico e norte-americano vai produzir uma série de matérias sobre a vigilância mundial. Esperamos que esses e outros artigos venham a abrir cada vez mais a “caixa preta” do grande irmão. É uma big ironia, pois com a revelação dos detalhes do esquema, seremos nós que adentraremos nos segredos do irmão do norte. Mas nesse caso podemos alegar que será mesmo para o “bem de todos” – para o bem da liberdade de expressão de todos; quem sabe assim, nosso mundo poderá vir a ser, em parte, realmente admirável.

Elenita Malta Pereira é historiadora e doutoranda em História

Fonte: Obervatório da Imprensa
[Via BBA]

Comentários

Nome

A divulgar Abelha acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia apagão Apicultura Apobec App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha câncer cardiologia carreira Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética cosmologia Criança Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Dia das Mães Dia do professor diabetes Dica Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas e-Book e-governo Ecologia economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eletricidade eletrônica empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Epidemiologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo featured Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Geriatria Gestão de Configuração Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guinness H2 Haiti hardware História HIV homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusão de óptica ilusão de ótica ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inteligência Artificial interativo Interface Interface Homem-Computador Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mapas Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Neurociência Neurologia Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia ótica Otorrinolaringologia Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida quimica química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Rio 2016 Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TedMed TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Turismo Tutorial Twitter UFG ufologia UFRJ universidade Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Vídeo Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico Draft: A ‘caixa preta’ do grande irmão no admirável mundo novo
A ‘caixa preta’ do grande irmão no admirável mundo novo
http://1.bp.blogspot.com/-DNXa__RdDRU/UingCLIW5PI/AAAAAAAAWHM/4aj1xP2P9Mg/s1600/Obama-Big-brother.jpg
http://1.bp.blogspot.com/-DNXa__RdDRU/UingCLIW5PI/AAAAAAAAWHM/4aj1xP2P9Mg/s72-c/Obama-Big-brother.jpg
Brasil Acadêmico Draft
http://draftbracad.blogspot.com/2013/09/a-caixa-preta-do-grande-irmao-no.html
http://draftbracad.blogspot.com/
http://draftbracad.blogspot.com/
http://draftbracad.blogspot.com/2013/09/a-caixa-preta-do-grande-irmao-no.html
true
7742307559183522523
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy