Ana moser lidera movimento de atletas por “legado positivo” das olimpíadas

Medalhista de bronze em Atlanta, onde conseguiu se recuperar de uma grave lesão no joelho a tempo de ajudar a conquistar a primeira medalha ...

Medalhista de bronze em Atlanta, onde conseguiu se recuperar de uma grave lesão no joelho a tempo de ajudar a conquistar a primeira medalha olímpica do vôlei feminino nacional, Ana Beatriz Moser agora quer a urgente revisão do Sistema Esportivo Nacional.
Presidente da associação Atletas pela Cidadania explica em primeira mão para a Pública propostas para moralizar o uso e distribuição de recursos públicos e criar uma estrutura de incentivo da prática do esporte para toda a população

Ela jogou três Olimpíadas, Seul (1988), Barcelona (1992) e Atlanta (1996), quando a seleção brasileira de vôlei conquistou sua primeira medalha (de bronze), venceu dois Grand Prix de Vôlei (em 1994 e 1996) e entrou para o seleto grupo do Hall da Fama do Vôlei dez anos depois de deixar de ser atleta profissional. Fora das quadras, não deixou de se dedicar ao esporte, mas com outro foco. Em vez de conquistar medalhas ela luta para que o esporte seja um direito da população. E quer que seja essa a prioridade do Brasil que se prepara para receber as Olimpíadas de 2016.
“O esporte para todos” é o bordão da presidente da associação Atletas pela Cidadania, fundada por ela e outros nomes de peso do esporte nacional como Raí, Joaquim Cruz, Cafú, Dunga, Edmilson, Fernanda Keller, Fernando Scherer (Xuxa), Hortência e o seu colega de vôlei Giovane.
O objetivo é universalizar a prática do esporte nas escolas e incrementar sua prática entre os brasileiros em geral através da criação de um Sistema Nacional de Esporte, com estrutura legal, recursos adequados e transparência. Em vez de passivos espectadores de um megaevento que por enquanto tem trazido mais prejuízo do que benefício à população, Ana e seus colegas querem contribuir para que a realização das Olimpíadas deixe um “legado positivo” para a prática do esporte no Brasil.
Esse é o foco do manifesto “Atletas pelo Brasil” que a associação lança hoje  (leia aqui) para chamar a atenção para a necessidade de criar uma política pública para a prática do esporte e apresentar três propostas concretas: a instituição de um comitê interministerial para reestruturar a legislação do sistema esportivo nacional e a criação de um Plano Nacional de Esporte; a aprovação de  legislação sobre as condições necessárias para as entidades do Sistema Nacional de Esporte receberem recursos públicos (emenda nº à MP 612 e emenda nº à MP 615); e a total transparência dos investimentos e das apurações referentes às denúncias de violações de direitos humanos nos grandes eventos esportivos.
Em entrevista à Pública, Ana explica em primeira mão o que pretendem os atletas com essas propostas e por que elas podem mudar a realidade do esporte no país. Leia a seguir:
Como foi o seu acesso ao esporte?
Eu sou de Blumenau, Santa Catarina. Ali a colonização alemã e italiana é muito forte. E o esporte é cultural; na Europa, faz parte do dia a dia das famílias, das cidades. Então eu comecei antes de ter esporte na escola, num clube, aos sete anos, depois na escola, estudei em colégio particular. Então, quer dizer, eu não sou o padrão. E, para mim, sempre foi esporte pelo esporte, pelas coisas boas que ele traz. Fui virar atleta depois de adolescente, com 17 anos. Até lá o esporte na minha vida era cultural. E essa visão que eu trago nas atuações que eu tenho.
Uma das bandeiras que a ONG Atletas pela Cidadania defende é o esporte acessível a todos os brasileiros. Quão distantes estamos desse cenário?
Na real, esporte de pobre e esporte de rico não tem. Todos são carentes nesse sentido. Rico e pobre. Carentes por bons lugares, aptos para a prática esportiva. Nos Estados Unidos, por exemplo, você tem as associações de bairro em que se começa a praticar o esporte até que na escola vira uma coisa mais séria. Mas a raiz é comunitária. E aqui nós não temos isso. Então eu vejo que todos os setores têm carência, e dizer o quão longe a gente está é uma suposição, porque os dados mesmo a gente não tem. Tem algumas pesquisas, mas insuficientes. Eu imagino que estejamos num patamar de 20 a 30% da população que pratica esportes, pessoas realmente ativas.
Publicamente você não se manifestou contra a vinda dos Jogos Olímpicos, mas você me disse que você é contrária. Por que?
Acho que não faz sentido. A grande chance na estrutura que estava naquele momento, e acho até que já involuímos de lá para cá, era de direcionar investimentos no esporte para todos, o esporte que não envolve medalhas. Eu tenho até um amigo que é empresário e que investe em esporte, que tem a mesma visão. As Olimpíadas trouxeram o foco no esporte de rendimento, então nós nos estruturamos errado. Há um foco em esporte nesse momento, há muitos investimentos, mas não se consegue investir no esporte para todos. E tem boas ações nesse sentido, no governo, na sociedade civil. Mas na época eu tinha uma visão mais conservadora. Eu achava que se ocorressem os grandes eventos iria se concentrar os investimentos em esporte, tanto na questão da infraestrutura e preparação da equipe olímpica. Mas eu vi que se se investir só nisso, você não tem impacto embaixo. Por dois anos eu vi isso acontecer no Instituto Esporte e Educação (outra ONG presidida por ela): caiu em 70% a captação de recursos privados para projetos de esportes para todos, para todos os projetos esportivos que não envolvem medalhas. O Ministério do Esporte está construindo ginásios, estádios, cuidando de aeroporto, de orçamento, e daqui a pouco vai cuidar do Parque Olimpíco, botando recurso direto nas confederações e no COB. Mas, por outro lado, se trouxe o esporte para o centro do interesse nacional. E nós estamos agora querendo juntar forças para lutar por um outro lado: investe em cima, mas estrutura embaixo para tornar sustentável e transformar em legado. Se não, fica aquele negócio: o que que eu ganho com isso?
Você é uma ex-atleta que está militando pelo esporte para todos em nível nacional. Falta mais posicionamento dos atletas e ex-atletas que tenham algum prestígio em questões relacionadas à gestão política do esporte?
A gente até criou a ONG Atletas por isso também, para criar entre os atletas essa cultura de participação. Mas em relação a atletas em atividade é complicado. Eu tinha assinado na CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) um código de ética que dizia que eu não poderia falar contra a CBV. Se eu falasse na imprensa alguma coisa eu pagava uma multa. Então é complicado. A gente está caminhando, mas o sistema é ainda muito conservador.
E por que vocês estão lançando esse manifesto agora, que destaca entre outras coisas, as violações de direitos humanos nos megaeventos?
A gente está na rua há uns cinco anos, mais focados nos bastidores, em movimentação interna no esporte, com menos campanhas para fora. É um movimento grande, e estamos sós nesse sentido, ainda ganhando forças. E agora a gente criou uma maturidade, uma condição de irmos para fora com mais força, e quer dar mais visibilidade às denúncias, primeiramente, para mitigar essa situação. Todo mundo sabe que foi feita muita coisa – e muito rápido – na preparação para os grandes eventos esportivos. E tudo muito escondido, em momentos de trocas de gestão, sem que houvesse contrapartidas. Por exemplo, você não tem como fazer um evento para atrair visitantes e deixar que os nossos saiam de suas casas! Seja na condição que for, invasão, “não-invasão”, com cinco ou 40 anos de existência, comunidades foram destruídas. Então somos solidários e queremos ajudar primeiro com a divulgação [das denúncias], para dar mais voz às pessoas que estão nessa situação. E também nos somamos para exigir transparência nos gastos públicos. Tem estudos da FGV que falam em retorno desses investimentos na ordem de R$ 147 bilhões. Queremos nos somar para promover um debate qualificado sobre isso também. Se trará lucro, como vamos distribuí-lo? Se não trará esse lucro todo, como se potencializa esses eventos? Acho que a gente tem que encarar isso com responsabilidade. E enquanto ONG queremos propor discussões como essa.
Outra bandeira que vocês levantam é a revisão do Sistema Esportivo Nacional…
Na verdade a construção, porque o sistema nem existe… O esporte de elite e especificamente o futebol é bem estruturado. Mas as outras dimensões não estão. Não existem serviços públicos de esporte a longo prazo. Então o que as Prefeituras investem em termos de esporte atualmente? Ok, tem as escolas, a educação física, teoricamente. Mas depende ali do orçamento em Educação e do que a gestão municipal queira fazer. E o resto da população? Como ela é atendida em esporte? Não existe uma regra para isso, não existe orçamento para isso. As Prefeituras, as Secretarias de Esporte tem 0,5% do orçamento total! Então não existe. A gente teve programas, o Segundo Tempo, o Mais Educação, em que alguns municípios investiram em mobilidade, pistas de corrida, ciclofaixas, ciclovias, parques, e outros não. Ou uma gestão faz e outras não. Não existe nada estruturante no esporte. Por exemplo, quais as funções da Federação? Do Estado? Do município? Então queremos essa estrutura para guiar os investimentos em esporte.
Quem formaria o Comitê Interministerial, proposto por vocês, e como ele atuaria na disseminação da prática esportiva?
O Comitê seria formado pelos ministérios da Saúde, da Educação e, claro, do Esporte. A questão é como você coloca a questão da disseminação da prática esportiva para todos, mas com uma abordagem em outras áreas de influência. Não é que não tenha nada, existem alguns projetos. Por exemplo, existe o projeto Mais Educação, uma estratégia do Ministério do Esporte junto com o programa de Educação, que injeta dinheiro direto nas escolas, e tem lá no cardápio de opções o esporte, uma meta para se investir em uma política de escola integral, e se pretende também incluir pautas ligadas ao esporte, como a ampliação e a qualificação do esporte para toda a rede pública de ensino. Há então uma combinação de recursos e de estratégias, entre o Ministério do Esporte e o Ministério da Educação, para ver como é possível viabilizar isto, mas há dificuldades em adequar uma política e uma visão para guiar essa estratégia. O Ministério do Esporte, por exemplo, acha que só professor de educação física pode realizar atividades no Mais Educação. Mas o Ministério da Educação, que é quem tem a escola, não tem professores lá na ponta, aí entra toda uma rede comunitária, com professores de capoeira, tudo mais, para suprir essa demanda. Mas  com a Educação já tem uma entrada. Com relação ao [ministério] da Saúde, pensamos em um programa de como usar o esporte na prevenção de doenças coronárias, respiratórias, diabetes…A saúde tem programas, o esporte tem programas, mas como é que se potencializa isso em termos de recurso e como se potencializa isso em termos de se criar uma linha de atuação? E também pensamos em uma participação da sociedade, que teria voz e voto nesse comitê. Porque a sociedade já desenvolve programas e metodologias na ponta, em menor escala, e o poder público tem que dar a escala.
E como a sociedade participaria desse comitê?
Isso já existe em outras áreas, na questão da Lei do Aprendiz, por exemplo. Ela também é interministerial: tem o Ministério da Educação, a sociedade civil, as delegacias regionais do trabalho… enfim, tudo que diz respeito ao setor representado. Então os agentes do esporte, o COB, as confederações, a rede de ONGs, as universidades, os conselhos regionais, cicloativistas, enfim, todos aqueles que fazem o esporte acontecer teriam lugar em sua composição. Pretendemos a criação de um projeto de lei para regulamentar e disseminar a organização e a participação de conselhos municipais, estaduais e nacional de esportes, como existe em outras áreas. E também queremos criar um fundo para fazer levantamento de dados, porque não temos praticamente nada e é a primeira coisa necessária para criar políticas públicas. Na área da educação, por exemplo, você tem uma base de dados suficiente para orientar políticas, o Plano Nacional de Educação, na área da saúde também tem. Então é essa mesma evolução que o esporte pode ter e isso que a gente quer dizer com reestruturar o Sistema Nacional de Esporte. Tudo começa com um posicionamento do governo de enfrentar seriamente e dar prioridade a essa estruturação. Enxergar isso como legado dos grandes eventos, e entregar para a sociedade como um legado que vai ficar além de 2016.
E como se faria para criar essa base de dados? Quais atores poderiam ajudar nesse processo?
Tem muita gente mexendo com isso, desde a Unicef a ONGs. A gente está criando com o UniEthos uma série de indicadores de monitoramento do esporte nas cidades-sede da Copa do Mundo, que é um programa do Atletas junto com o Instituto para a Educação. Temos muito poucos dados atualmente, dados de educação física no esporte que são sobre as escolas brasileiras da rede pública, com número de quadras abertas ou cobertas, número de professores contratados, mas não se sabe nem se eles estão dando aulas ou estão na parte administrativa, para quantos alunos eles estão dando aula, quantas horas de esporte os alunos praticam por semana, os programas complementares às escolas. Olha que dilema: no Ensino Fundamental I, que é do primeiro ao quinto ano, não tem professor especialista em educação física. Então, teoricamente, tem educação física na grade, mas quem é que dá essas aulas? O professor de sala. Mas qual é a preparação ele tem para dar essas aulas? Qual conhecimento? Qual linha ele segue? Qual política? Enfim, o que ele faz? Ele é atleta amador, ou foi? Como ele dá as aulas? Só roda uma bola? Então essas aulas de educação física não existem na prática, mas ninguém fala disso porque não é um dado que aparece. E isso no Brasil inteiro, não é só no interiorzão, sertão, não. As capitais do nordeste, por exemplo. Em Minas também, você sai de Belo Horizonte, você não acha um professor de educação física.
Vocês também falam também em limitar mandatos de dirigentes esportivos, né?
Essa é uma emenda que a gente propôs à MP 612, uma questão importante na moralização, na gestão do esporte. Porque também é recurso público, também representa a nossa bandeira,  então é um caminho de avanço que queremos para o nosso esporte. Também propusemos uma adequação na MP 615, que é uma adequação da Lei Pelé. As confederações, as federações e o COB têm direito a recurso público na medida em que tomarem algumas medidas, como a participação de atletas na gestão, fiscalização e eleição de dirigentes, a de estabelecer dois mandatos de quatro anos no máximo, de ter prestação de contas, transparência.
Sobre a atual gestão da Confederação de Vôlei, como você avalia?
É um modelo econômico que funciona, tem planejamento a longo prazo. A dimensão que vejo do esporte de rendimento é com as outras dimensões do esporte, o esporte na escola, iniciação esportiva. Por exemplo, existe a Lei Piva, que é um percentual das loterias esportivas, que vai para o COB e ele distribui por critérios próprios para as confederações. O quanto desse recurso é investido nas federações dos estados ou no desenvolvimento do esporte nos estados? No vôlei, você tem um modelo de seleção brasileira, no topo de categoria, com centro de treinamento, e uma Superliga. E agora uma Liga B, mas nos Estados é fraco. Então você tem na verdade uma máquina de renovação [de jogadores] de dez, doze clubes espalhados aí pelo Brasil, mas as federações não agem para disseminar a prática do vôlei na sociedade. Não tem volume, escala da prática esportiva. Quantas crianças praticam o esporte? Quantas crianças de 10 a 16 anos participam de campeonatos regionais? Essa é a questão. Queremos um esporte presente em todos os níveis para as pessoas, para ter uma população ativa. O que é o futebol de várzea, por exemplo? Existe em tudo que é lugar, em todos os níveis, e tem outros esportes também. Mas e o investimento nessas áreas, nesses modelos de praticar o esporte? São debates que estão na rua há muito tempo. É isso que está posto: vão passar a Copa do Mundo e as Olimpíadas, mas fica o que para o país? É isso que estamos questionando.
O que você espera para para o próximo ciclo olímpico, após as Olimpíadas de 2016? Quais pautas a ONG propõe para haver uma preparação melhor?
A gente propõe um caminho que começa agora e termina em 2022 de ter todas as crianças em todas as escolas do Brasil com educação física e atividade esportiva, dobrar a prática de esporte na população e construir esse Sistema Nacional de Esportes de maneira que ele garanta uma estrutura legal e de recursos para que o esporte aconteça nas várias condições. Quanto mais o Brasil avançar na disseminação da prática de esportes e na disseminação da cultura ativa, mais a população em geral vai ganhar em qualidade de vida.
O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

LEIA O MANIFESTO DOS ATLETAS POR LEGADO SOCIAL E ESPORTIVO DE MEGAEVENTOS
Documento é da Associação Atletas pela Cidadania, que inlcui Ana Moser, Giovane, Raí, Cafú, Dunga, Edmilson, Fernando Meligeni, Fernando Scherer (Xuxa), Gustavo Borges, Hortência, Joaquim Cruz, Kaká, Lars Grael, Magic Paula, Oscar Schmidt, Robson Caetano, Rogério Ceni, Rubens Barrichello e Zetti.
Há mais de dois anos, a associação Atletas pela Cidadania vem tentando chamar a atenção do governo para a importância de uma agenda de um legado dos grandes eventos esportivos.
Copa e Olimpíadas têm um valor inegável para o país que as recebe, mas somente se tornam uma oportunidade efetiva quando a prioridade do interesse público é a regra e quando existam propostas concretas de Legado Esportivo e Social.
O interesse público e a transparência têm que prevalecer em todas as ações: nas obras, construções, intervenções sociais ou investimentos públicos e privados. Mais do que isso: todos os recursos gerados pelos eventos devem ser destinados ao desenvolvimento social e econômico do país, chegando de forma positiva na vida das pessoas.
Nós, Atletas pela Cidadania, somos contra a destinação de recursos públicos para benesse de alguns, as remoções que violam os direitos humanos, a corrupção e a falta de transparência nas decisões e nas contas. Tudo isso é contra o espírito e os valores do Esporte.
Acreditamos nos valores positivos do Esporte e sabemos do seu impacto no desenvolvimento do país. O Esporte é direito de todos os brasileiros. Melhora a saúde e a qualidade de vida, diminui a evasão escolar, aumenta o desempenho dos alunos.
Repetimos: há mais de dois anos apresentamos uma agenda positiva ao país, com dois pontos centrais para o Legado Esportivo e Social da Copa e das Olimpíadas: o Esporte acessível a todos os brasileiros e a urgente revisão do Sistema Esportivo Nacional. As diretrizes são claras. Limitar o mandato de dirigentes esportivos, definir os papéis e integrar os entes federativos, abrir à participação democrática de atletas, qualificar educadores e profissionais esportivos permanentemente, ampliar a infraestrutura esportiva pública.
São medidas para garantir o acesso ao Esporte para todas as pessoas, de norte a sul. Além de desenvolver a cultura esportiva no país e levar os benefícios do Esporte a todos. E como consequência natural, também melhorar o esporte de alto rendimento e suas conquistas.
Felizmente, o país hoje clama por mudanças. A agenda pública deve se balizar pelo que seu povo decide e não só pelo que seus governantes acreditam que sejam as prioridades. O dia a dia do poder tem afastado a máquina pública do interesse público. Vivemos uma crise da democracia representativa, cuja solução está em ouvir diretamente os detentores reais do poder – o povo.
Queremos ser ouvidos e por isso solicitamos:
1. A criação de um comitê interministerial para a reestruturação da legislação do sistema esportivo nacional e a criação de um Plano Nacional de Esporte. Com metas, estratégias, métricas de avaliação e resultados claros. Um comitê com participação da sociedade, com voz e voto, liderado pela Presidência da República.
2. Aprovação de legislação que dispõe sobre as condições necessárias para as entidades do Sistema Nacional de Esporte receberem recursos públicos (emenda nº à MP 612 e emenda nº à MP 615).
3. Total transparência dos investimentos e das apurações referentes às denúncias de violações de direitos humanos nos grandes eventos esportivos, como exploração sexual infantil, remoções sociais forçadas, sub-emprego.

Fonte: Agência Pública
[Via BBA]

Comentários

Nome

A divulgar Abelha acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia apagão Apicultura Apobec App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha câncer cardiologia carreira Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética cosmologia Criança Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Dia das Mães Dia do professor diabetes Dica Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas e-Book e-governo Ecologia economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eletricidade eletrônica empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Epidemiologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo featured Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Geriatria Gestão de Configuração Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guinness H2 Haiti hardware História HIV homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusão de óptica ilusão de ótica ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inteligência Artificial interativo Interface Interface Homem-Computador Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mapas Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Neurociência Neurologia Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia ótica Otorrinolaringologia Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida quimica química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Rio 2016 Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TedMed TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Turismo Tutorial Twitter UFG ufologia UFRJ universidade Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Vídeo Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico Draft: Ana moser lidera movimento de atletas por “legado positivo” das olimpíadas
Ana moser lidera movimento de atletas por “legado positivo” das olimpíadas
http://1.bp.blogspot.com/-BVZ9Eyj32XY/UebBOX2Ws4I/AAAAAAAAVf8/cBESWA75PRU/s400/600x380xFOTOGUSTAVOALVES-101_site-600x380.jpg
http://1.bp.blogspot.com/-BVZ9Eyj32XY/UebBOX2Ws4I/AAAAAAAAVf8/cBESWA75PRU/s72-c/600x380xFOTOGUSTAVOALVES-101_site-600x380.jpg
Brasil Acadêmico Draft
http://draftbracad.blogspot.com/2013/07/ana-moser-lidera-movimento-de-atletas.html
http://draftbracad.blogspot.com/
http://draftbracad.blogspot.com/
http://draftbracad.blogspot.com/2013/07/ana-moser-lidera-movimento-de-atletas.html
true
7742307559183522523
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy